Sábado , 19 Agosto 2017
Últimas Publicações
Home / Colunistas / Código vermelho

Código vermelho

Toda vez que recebo a ligação da escola dos meninos avisando que está tendo um treinamento antissequestro, fico muito triste.

Aqui, nos Estados Unidos, todas as escolas fazem treinamentos para situações de incêndio e sequestro da escola. Algumas vezes, esses treinamentos são avisados com antecedência e outras não, justamente para treinar como ‘uma situação real’.

No caso desse último, no momento em que o treinamento estava acontecendo, uma mensagem de voz é enviada aos celulares dos pais para que saibamos que, naquele momento, um treinamento surpresa está ocorrendo, e não podemos avisar nossos filhos enviando mensagens ou qualquer coisa assim.

E hoje foi um dia desses.

Fico muito triste. Tento imaginar o que está se passando na cabecinha de todos os adolescentes naquele momento. Afinal, não sabem que estão em treinamento. Penso também, em quantas situações dessas já foram reais e quantas tragédias já aconteceram? Daí a importância desse treinamento, principalmente esse assim, feito de surpresa.

Penso em como existem pessoas cruéis, capazes de invadir uma escola, cheia de pessoas inocentes. Como são capazes?

Fico triste por saber que, todas essas crianças já crescem com essa visão de um mundo em que existem pessoas que são capazes de fazer o mal de graça, sem ao menos te conhecer ou ter um motivo real para isso. Fazer o mal pelo mal.

Amplio o meu pensamento e sigo pensando que não há um lugar em que possamos estar totalmente seguros, somente mesmo nos braços do nosso Pai.

Se não são os terroristas, são os ladrões, os invejosos, os psicopatas e, até mesmo, os fenômenos naturais.

Estamos todos suscetíveis, sem exceção.

O que faço é pedir bênçãos numa hora difícil. Para que consiga agir da melhor forma e para que quem ou o que esteja nos atacando, seja manso, para que o pior seja evitado.

Mas, paz e segurança, só num mundo que não é aqui.

Infelizmente.

Sobre Rubia Wakizaka

Rúbia Mara Andrade Felisberto Wakizaka é guaçuana e há três anos mora em Lake Mary [Flórida]. É casada com o empreendedor Fabio Wakizaka e mãe de dois filhos, Ichiro e Kenzo. Fala inglês fluente, é artesã e culinarista. Nos Estados Unidos, trabalha na área digital como bloguer e youtuber, trazendo experiências do setor de craft, abrangendo técnicas de costura, bordado e crochê, por meio do seu canal ‘Faça-Você-Mesmo’.

Confira Também

Foto: Arquivo Pessoal

Mogimiriano ensina futebol nos EUA

Letícia Guimarães   A tradicional paixão do brasileiro pelo futebol atravessou o continente americano e ...

Um comentário

  1. Alba Antonia de Andrade Felisberto

    Oi Rubita!
    É muito difícil para todos,passar por tudo isso,só que aí as crianças são treinadas,aqui,,não existe preparo nenhum.
    Tenho certeza que temos a proteção Divina.

    Bjs!

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *