Domingo , 19 Novembro 2017
Últimas Publicações
Home / Coluna da Fabi / Com diabetes sim, mas feliz

Com diabetes sim, mas feliz

Você sabe o que é diabetes?

Sabe o que essa doença causa no organismo?

Sabe o que deve ser feito ou evitado por uma pessoa que convive com a doença?

Então, vou tentar esclarecer algumas questões.

Diabetes é uma doença crônica na qual o corpo não produz insulina ou não consegue empregar adequadamente a insulina que produz.

Insulina é um hormônio que controla a quantidade de glicose no sangue. Quando a pessoa não tem esse hormônio, o nível de glicose no sangue fica alto. Se esse quadro permanecer por longos períodos, poderá haver danos em órgãos, vasos sanguíneos e nervos.

Segundo a SBD [Sociedade Brasileira de Diabetes], são mais de 13 milhões o número de brasileiros com a doença, ou seja, 6,9% da população.

Existem vários tipos de diabetes:

Diabetes Tipo I: quando pouca ou nenhuma insulina é liberada para o corpo. Como resultado a glicose fica no sangue em vez de ser usada como energia. Em média acomete de 5 a 10% das pessoas com diabetes. Aparece geralmente na infância ou adolescência, mas também pode ser diagnosticada em adultos.

Diabetes Tipo II: quando o organismo não consegue usar adequadamente a insulina que produz, ou não produz insulina suficiente para controlar a taxa de glicemia. 90% das pessoas com diabetes se encaixam nesse grupo. Manifesta-se mais frequentemente em adultos, porém, pode aparecer em crianças.

Diabetes Gestacional: a diabetes gestacional pode acontecer com qualquer mulher e nem sempre é possível identificar os sintomas. Por isso, é recomendado que a gestante pesquise como está a glicose em jejum, através de exames de glicemia, a partir da 24ª semana de gestação. Alguns fatores podem ser levados em consideração pela gestante, sendo eles: idade materna avançada; ganho excessivo de peso durante a gestação; sobrepeso ou obesidade; hipertensão arterial durante a gestação, entre outros. O controle da diabetes gestacional é feito com orientação nutricional adequada.

O mesmo controle é muito importante para as outras formas de manifestação da doença. Consultar um médico e um nutricionista é primordial para controlar a doença. Há quem diga que pessoas com diabetes não podem fazer exercícios físicos para não ter o risco de hipoglicemia durante a atividade. Mas, o exercício pode trazer muitos benefícios para essas pessoas.

Quando se pratica uma atividade física, os músculos precisam de energia e isso estimula a utilização de glicose pelos músculos impedindo que esta se acumule no sangue e aumente a glicemia.

Então pode se dizer que a prática de atividade física diminui os níveis de glicose no sangue, além de, estimular a produção de insulina, aumentar a sensibilidade celular à insulina e diminuir a gordura corporal.

Se mesmo assim alguém duvidar da importância da atividade física no tratamento da diabetes, faça um teste, medindo a glicose antes e depois do exercício e comprove a diferença.

Não precisa se tornar um atleta. Pratique exercícios condizentes com sua idade e capacidade física. O ideal são exercícios com intensidade moderada e de longa duração [de 40 minutos a uma hora]. É claro que também, é preciso uma boa orientação profissional. Por isso é muito importante informar seu treinador sobre suas condições.

A diabetes é uma doença crônica, por isso, saber conviver com ela é tão importante. Escolha adequadamente os alimentos consumidos, pratique exercícios e viva mais feliz. Espero ter ajudado. Até semana que vem.

Sobre Fabi Matos

Fabiana Nunes de Matos Bueno é graduada em Educação Física e trabalha como personal trainner ministrando aulas de pilates e funcional em seu estúdio.

Confira Também

Solange Chiorato escolheu a área clínica para ter contato direto com as pessoas

Nutrição, ferramenta salutar da vida

Ainda hoje há uma grande parte da população que busca orientação nutricional voltada mais para ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *