Sábado , 18 Novembro 2017
Últimas Publicações
Home / Coluna da Fabi / Experimente

Experimente

Sim, o ano está chegando ao fim e, com ele, a lista de deveres e realizações de 2016. Eu confesso que ainda recorro à lista. Mas aprendi que ela não adianta nada se não mudarmos nossas atitudes. Organizo meus desejos e realizações em forma de lista para poder me guiar durante o ano. Talvez para você isso não seja necessário. Mas, para mim ainda é a melhor maneira de organizar minhas ideias.

É claro que isso é só uma maneira de me lembrar onde quero chegar. Nada disso tem valor se eu não fizer nada.

E você? O que faz para alcançar seus objetivos? Você é aquele tipo de pessoa que faz uma lista para guarda-la na gaveta? Ou você é do tipo que deixa a vida te levar sem fazer planos?

Ter algumas anotações para me nortear, para mim, é fundamental. Preciso ter esse respaldo para me planejar profissionalmente, financeiramente e até mesmo para poder programar momentos de lazer.

Nessa época do ano, é chegada a hora fazer o check list para saber se consegui chegar perto das minhas metas. É claro, que não são todas as áreas da minha vida que precisam de planejamento. Mas gosto de pensar sempre onde quero chegar.

Você também é assim?

Levanto esses questionamentos porque vejo muitas pessoas reclamarem da vida, do trabalho, da falta de tempo, entre outras coisas. Então, comecei a reparar que muita gente não sabe aonde quer chegar, não tem um plano ou ao menos uma lista de desejo. Algumas pessoas optam por reclamar ao invés de mudar de atitude. E você sabe né, no fim do ano, colocamos as coisas na balança para ver se o ano que está indo embora foi realmente bom. Então, antes de pensar que o ano poderia ter sido melhor, pense se você fez alguma coisa para poder muda-lo.

Nesse ano obtive muitas conquistas profissionais. Essa coluna é uma delas. Escrever sempre foi um desejo e, graças a esse espaço que me foi cedido, esse desejo se tornou real. Mais que isso, escrever semanalmente aqui me abriu espaço para escrever em outros lugares. Então… ‘X’ no meu desejo de escrever.

Meu objetivo com essa coluna sempre foi levar informações sobre esporte e saúde para as pessoas. E através disso, levantar questionamentos para fazer com que os leitores começassem a pensar na maneira como estão vivendo e quais atitudes estão tendo para ter uma vida mais saudável. Espero ter colaborado de alguma maneira para que isso acontecesse na sua vida.

Então a minha última sugestão do ano é: mude.

Elimine o que te faz mal, se abra para o novo, tente quantas vezes precisar. Evite as lamentações, não espere alguém te tirar da inércia. Seja você a mudança que você deseja. Eu também vou tentar. E, enquanto estamos tentando, esse espaço ficará de férias.

A escritora dessa coluna precisa colocar as pernas para cima e relaxar um pouquinho. Retorno aqui na segunda-feira, 09 de janeiro de 2017. Com muitas ideias, puxões de orelhas e dicas para vocês.

Muito obrigada pelo carinho comigo e com minha coluna.

Para finalizar, deixo esse texto que eu, particularmente, adoro.

Receita de Ano Novo – por Carlos Drummond de Andrade

“Para você ganhar belíssimo Ano Novo cor do arco íris, ou da cor da sua paz, Ano Novo sem comparação com todo o tempo já vivido (mal vivido talvez ou sem sentido).

Para você ganhar um ano não apenas pintado de novo, recomendado às carreiras, mas novo nas sementinhas do vir-a-ser; novo até no coração das coisas menos percebidas (a começar pelo seu interior).

Novo, espontâneo, que de tão perfeito nem se nota. Mas com ele se come, se passeia, se ama, se compreende, se trabalha.

Você não precisa beber champanha ou qualquer outra birita, não precisa expedir nem receber mensagens (planta recebe mensagens? Passa telegramas?).

Não precisa fazer lista de boas intenções para arquivá-las na gaveta.

Não precisa chorar arrependido pelas besteiras consumadas, nem parvamente acreditar que por decreto de esperança a partir de janeiro as coisas mudem e seja tudo claridade, recompensa, justiça entre os homens e as nações, liberdade com cheiro e gosto de pão matinal, direitos respeitados, começando pelo direito augusto de viver.

Para ganhar um Ano Novo que mereça esse nome, você, meu caro, tem de merecê-lo, tem de fazê-lo novo, eu sei que não é fácil, mas tente, experimente, consciente.

É dentro de você que o Ano Novo cochila e espera desde sempre”.

Um beijo e até ano que vem.

Sobre Fabi Matos

Fabiana Nunes de Matos Bueno é graduada em Educação Física e trabalha como personal trainner ministrando aulas de pilates e funcional em seu estúdio.

Confira Também

atividades_fisicas_mediz

Como sobreviver sem exagerar

O outono começou e chegou cheio de feriados. E além de serem bons momentos para ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *