Terça-feira , 19 Setembro 2017
Últimas Publicações
Home / Colunistas / Jorge virou peixe

Jorge virou peixe

Foto: World Animal Protection Brasil

Jorge morava numa casinha meia água com teto de zinco. A casa de Jorge ficava tão quente no verão que fazia uma sauna parecer câmara fria.

Jorge detestava o calor de sua casa. Tentou colocar ventiladores, mas apenas espalhava o mormaço; tentou jogar água com uma mangueirinha sobre o telhado, porém, só gastava água e o calor não diminuía.

Sua casa parecia um inferno de tão quente naquele final de dezembro e inicio de janeiro.

Jorge sentia inveja dos peixes.

Os peixes viviam nas águas e provavelmente não sentiam calor.

Por isso, Jorge queria ser um peixe.

Com suas minguadas economias conseguiu comprar uma piscina.

Dessas piscinas plásticas para crianças.

Mas não colocou a piscina no quintal, mas sim bem no centro de sua sala.

Ficava o dia inteiro deitado na piscina com a água até o pescoço se refrescando. E podia a casa com teto de zinco estar pegando fogo, para Jorge a água o protegia, pois se sentia um peixe.

Sua vontade de virar um peixe era tanta que comentou com os amigos que um dia iria para o Amazonas e se transformaria num Boto.

Por enquanto, Jorge estava satisfeito com sua piscina e nos dias de folga do final de ano não saia de dentro da água.

Assistia TV, comia e dormia dentro da piscina, só saia para ir ao banheiro.

Na noite da virada do ano, Jorge acabou dormindo na piscina e sua cabeça foi para dentro d’água, ficou submerso durante toda noite e aos poucos se transformou em um peixe, mas não em um Boto como queria e sim em um grande Pacu.

No outro dia os amigos chegaram à sua casa para desejarem ano bom, mas não encontraram Jorge que dizia ir para o Amazonas virar um Boto.

Encontraram apenas o Pacu nadando alegre dentro da piscina.

Os amigos foram categóricos:

– Já que Jorge foi para o Amazonas virar Boto, não vai se importar se a gente assar esse Pacu para nosso almoço de ano novo.

Sobre Rodrigo Alves de Carvalho

Rodrigo Alves de Carvalho nasceu em Jacutinga (MG). Jornalista, escritor e poeta possui diversos prêmios literários em vários estados e participação em importantes coletâneas de poesia, contos e crônicas. Escreveu para jornais de Jacutinga, Itapira, SP; Mogi Mirim, SP; Pouso Alegre, MG; Ouro Fino, MG; Espirito Santo do Pinhal, SP; Campinas, SP e Belo Horizonte, MG.

Confira Também

site-1

O assassinato das vogais

No ano quatro mil a.C., o pessoal já costumava se comunicar através de ideogramas e ...

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *