Sábado , 19 Agosto 2017
Últimas Publicações
Home / Cidade / Jovens viajam para encontrar o Papa Francisco na JMJ-2016

Jovens viajam para encontrar o Papa Francisco na JMJ-2016

Fotos: Otávio Bueno

Expectativa da organização é que mais de 3 milhões pessoas compareceram ao evento

Cerca de 40 jovens de Mogi Guaçu embarcam nesta quarta-feira, 20 de julho, para participarem da 31ª JMJ [Jornada Mundial da Juventude] que acontecerá na próxima semana de 26 a 31 de julho, na Cracóvia [Polônia]. No domingo, 31 de julho, será realizado no Campo da Misericórdia, o encontro mundial do Papa Francisco com os jovens e a celebração da vigília da eucaristia.

A Jornada Mundial da Juventude é um evento religioso instituído pelo Papa João Paulo II, que reúne jovens católicos de todo o mundo com duração de uma semana e promove eventos da igreja católica para os jovens e com os jovens.

A primeira JMJ foi realizada em Roma [Itália], em 1986, e a última ocorreu na cidade do Rio de Janeiro em 2013, quando cerca de 3,5 milhões de pessoas compareceram.

“É um encontro maravilhoso com milhares de jovens do mundo para celebrar e aprender sobre a fé católica, para construir pontes de amizade e esperança entre continentes, povos e culturas e compartilhar a vivência da espiritualidade”, conta Guilherme Cassimiro da Silva, 32, que vai para a sua quarta jornada mundial.
Para viajar, cada jovem teve que arcar com uma despesa de R$ 10 mil e para a maioria deles essa será a primeira experiência de uma jornada internacional.

Os jovens que viajam são catecúmenos das paróquias Nossa Senhora da Imaculada Conceição e São Judas Tadeu. Conheça alguns dos guaçuanos que estarão na JMJ-2016.

 _MG_4802

Paróquia Nossa Senhora da Imaculada Conceição

Os peregrinos da Igreja Matriz retornam para Mogi Guaçu no dia 09 de agosto. Como roteiro da viagem passarão por Roma e Veneza [Itália], por Brno [República Tcheca] e na sequência viajam para a Cracóvia. Depois do encontro mundial,  seguem para Varsóvia. De lá, para Viena [Áustria] de onde embarcam de volta para o Brasil.

_MG_4790Matheus Henrique Alves, 17, solteiro

Estudante do Ensino Médio, cita a dificuldade financeira como o grande empecilho para a viagem. Resolveu em ir para a Cracóvia porque teve uma grande experiência com Deus na JMJ-2013 do Rio de Janeiro e quer ter outra.

Tem como expectativa para a JMJ-2016: “ir ao encontro dos jovens de todo o mundo que estarão reunidos para um só propósito, encontrar Deus”.

Espera do encontro com o Papa Francisco que: “Seja algo maravilhoso, pois ele é uma pessoa incrível e muito humilde”.

_MG_4788Pedro Augusto Savacini, 15, solteiro

Estudante do Ensino Médio. Também diz que a parte financeira foi a maior dificuldade para a JMJ. Trabalha há dois anos para juntar o dinheiro.

Tem como expectativa para a JMJ-2016: “encontrar-se com Deus espiritualmente e a oportunidade de conviver com pessoas de comunidades neocatecumenais de outras nacionalidades”.

Espera do encontro com o Papa Francisco que: “Uma palavra que traga um novo óleo para minha lamparina de vida”.

_MG_4795Tobias Evangelista de Souza, 17, solteiro

Estudante do Ensino Médio. Segundo ele, o maior obstáculo será por nunca ter feito uma peregrinação internacional. Ele acredita que as dificuldades e dúvidas serão muitas como o idioma, a comunicação e o clima. Participou JMJ-2013 no Rio de Janeiro.

Tem como expectativa para a JMJ-2016: “que será uma grande alegria em pleno Ano Santo da Misericórdia. Poder conhecer a Polônia, terra repleta de cicatrizes gerada pelos campos de concentração onde muitos judeus foram torturados e onde São Maximiliano se entregou ao martírio em Auschwitz. Tenho certeza que nesta JMJ experimentarei a verdadeira dimensão do amor de Deus”.

 Espera do encontro com o Papa Francisco que: “ele esteja sempre a nos surpreender em todos os sentidos, seja por gestos ou por palavras. Espero neste encontro com ele me sentir verdadeiramente encorajado a querer ser jovem no mundo sem ser do mundo, para assim mostrar que é possível ter uma juventude feliz sem deixar se envolver pelos prazeres como as drogas, a sexualidade e o álcool”.

Quem já esteve em outras JMJ’s

_MG_4797Isabela Ferreira, 19, solteira

Cursa Engenharia de Bioprocessos na Unifei [Universidade Federal de Itajubá]. Trabalha há dois para ir à peregrinação na Cracóvia. Por ser universitária a questão financeira foi a principal barreira, pois precisava do envolvimento e da ajuda de muitas pessoas para conseguir arrecadar o valor.

Por que optou pela JMJ-2016 em especial?

O que me cativa a ir para as JMJ’s é a experiência de passar duas semanas anunciando Jesus Cristo por lugares diferentes do meu cotidiano e a oportunidade de perceber a grandeza da nossa Igreja, que é viva e é muito importante para a minha vida.

Qual a sua expectativa para a JMJ-2016?

Que nessa jornada eu consiga absorver e aprender o máximo nas diferentes situações que viverei nas catequeses e nos exemplos de vida e de fé que irei encontrar.

O que espera do encontro com o Papa Francisco?

Que eu saia de lá motivada e encorajada a viver e anunciar minha fé em Cristo e na Igreja também no meu dia a dia.

Quais foram as JMJ’s que participou?

Madri-Espanha 2011 e Rio de Janeiro – 2013.

Qual a maior experiência?

Ver pela primeira vez milhões de jovens de todos os cantos do mundo reunidos para adorar a Deus e dispostos a terem uma experiência Dele em suas vidas. Isso me ajudou e ainda ajuda a não ser omissa em minha vida.

Maior prova de Deus em sua vida?

A providência. Quando eu e minha família decidimos ir para a JMJ de Madri, não tínhamos muito conhecimento sobre como era uma jornada e os desafios que enfrentaríamos para chegar lá. Mas Deus se mostrou grandiosamente em nossas vidas e tudo foi se encaixando. Percebemos que quando nos colocamos a caminho, o Senhor vai a nossa frente e as portas vão se abrindo. Basta acreditar.

Paróquia São Judas Tadeu

Os jovens peregrinos desta Paróquia têm como roteiro de viagem antes de chegarem à Polônia, as cidades italianas de Roma, Florença e Udine e a austríaca Viena. E, após o encontro mundial, conhecerão as polonesas Czestochowa e Varsóvia. Eles retornam para Mogi Guaçu em 08 de agosto.

_MG_4800Carlos Henrique Brandão, 40, solteiro, Paróquia São Judas Tadeu

Graduado em Publicidade e Propaganda, diz que a maior dificuldade será deixar a família nestes 20 dias. “Será minha primeira jornada. Como não pude participar da jornada do Rio de Janeiro, coloquei como propósito participar desta”, diz ele.

Tem como expectativa para a JMJ-2016: “rezar e deixar Deus falar nesses dias e poder sentir a sua misericórdia. Para mim será uma das maiores experiências da minha vida, conviver com pessoas diferentes cada um com sua história, fé e com o mesmo objetivo”.

Espera do encontro com o Papa Francisco que: “receber a força do Espírito Santo, para me encorajar a anunciar o reino de Deus, me colocar a disposição em servir a igreja e as pessoas que precisam. Quero voltar com a experiência daqueles que viram Jesus após a sua morte, que o viram ressuscitado e professar que vi o Senhor”.

_MG_4791Daniele Aparecida Pança das Neves, 29, solteira, Paróquia São Judas Tadeu

Vocacionada esteve na JMJ-2013 – Rio Janeiro. Fala que sua maior dificuldade para viajar foi na parte financeira. Mas ressalta o apoio dos jovens de sua Paróquia que começaram a arrecadar fundos desde o final de 2014.

Tem como expectativa para a JMJ-2016: “poder estar em oração e ter um encontro com Deus de uma forma única, não somente por estar lá, mas a emoção de estar em um lugar com pessoas diferentes e poder um algo a mais para Deus, como dar testemunho daquilo que a gente professa toda vez quando reza o Credo. Que seja um lugar de muitas bênçãos de Deus na minha vida e na de cada jovem que estiver na Polônia”.

Espera do encontro com o Papa Francisco que: “mesmo com as adversidades que encontraremos pelo caminho, eu possa mostrar a cara da juventude da Igreja. Espero conviver e rezar junto dele em cada palavra que o nosso Pontífice disser. Que eu não saia de lá a mesma pessoa que fui, mas um ser humano melhor, transformado naquilo que busco. Creio que o Papa Francisco vai nos fortalecer e nos encorajar a isso. Tentar ser mais como aquilo que Deus deseja para cada um de nós”.

Quem já esteve em outras JMJ’s

_MG_4789Guilherme Cassimiro da Silva, 32, noivo

Tecnólogo em Logística. Conta que o Senhor sempre soube da sua intenção de ir para jornada e o ajudou muito na parte financeira e também na espiritual.

Antes, já viajou para alguma JMJ?

Sim. Já fui a três Jornadas Mundiais da Juventude.

Sidney – Austrália em 2008;

Madrid – Espanha em 2011;

Rio de Janeiro – Brasil em 2013;

Por que optou pela JMJ-2016?

Não falo que é uma escolha, mais sim um chamado de Deus em minha vida, assim como, foi na primeira, segunda e terceira jornadas. O Senhor me chamou e eu me entreguei para ouvir o que ele tem para me falar. Estou indo para essa jornada de maneira especial porque vamos passar no antigo campo de concentração e extermínio de Auschwitz, onde Adolf Hitler exterminou milhares de pessoas.

Qual a sua expectativa para a JMJ-2016?

Minha ansiedade já está a flor da pele. Minha expectativa é de vivenciar o amor fraterno entre os irmãos de todo mundo, pois quem já sentiu essa experiência vai entender o que estou falando, mesmo sem a gente saber falar o idioma do outro, a força do amor fraterno faz com que nos comuniquemos e isso é magnifico.

O que espera do encontro com o Papa Francisco?

Dizer o que espero é muito difícil, pois o Senhor age de várias maneiras e nos surpreende a todo instante nesses encontros. Então, só posso dizer que vou esperando ser feita a vontade de Deus em minha vida. Mas posso afirmar que nessa jornada, estou indo com o coração esvaziado de todo e qualquer preocupação que tenho em meu cotidiano, e tenho a absoluta certeza que vou vir com o coração embora da Polônia cheio de confiança do amor de Deus comigo.

Qual a maior experiência?

Sei que Deus sempre teve propósitos comigo. Cresci em um bairro pobre, em uma família pobre, onde alguns amigos meus se perderam nas drogas, no tráfico e em más condutas. Através da educação de meus pais, pude sentir que Deus me poupou de usar drogas, e mesmo as vezes que eu andava em más companhias o Senhor não me deixou se corromper, e tem me preservado até hoje fiel na sua igreja católica.

Sobre Flávio Ribeiro

Graduado em Comunicação Social - Jornalismo pela Pucc - Campinas. Editor-Chefe e Repórter da Revista O Pólo - Agência ODBO, é o responsável pela checagem e produção das reportagens e artigos e, também, da edição final da revista. Exerceu a função de Assessor de Imprensa de Gestão Pública e trabalhou em meios de comunicação como o Jornal Gazeta Guaçuana, Jornal Cidade e estagiou na EPTV Campinas.

Confira Também

site01

Qualidade de vida: todo mundo quer, mas o que é?

A O Pólo progrediu com o compromisso de fomentar opiniões que transformem as atitudes de ...

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *