Quinta-feira , 20 Julho 2017
Home / Cidade / Mogi Guaçu, ontem, hoje e amanhã

Mogi Guaçu, ontem, hoje e amanhã

No próximo domingo, 09 de Abril, Mogi Guaçu completa 140 anos de emancipação politico-administrativa.O tempo passa e os temas dos poemas são outros. Não faz muito tempo que brincar na rua era a grande diversão da criançada.
Dentro deste contexto, O Pólo entrevistou o prefeito Walter Caveanha [PTB] com o tema: ‘Mogi Guaçu, ontem, hoje e amanhã’.

Entrevista
O Pólo: O senhor quando criança brincava na rua como por exemplo: andar de bicicleta, de carrinho de rolimã ou de skate, soltar pipa ou outro tipo de brincadeira de rua?
Walter Caveanha: Na minha época, a principal diversão era o futebol de campo e de salão, mas também jogamos muito peão, bolinha de gude, bete e soltávamos pipa. Essas brincadeiras nos aproximavam e interagíamos uns com os outros.

O Pólo: Hoje em dia, o senhor vê crianças brincando na rua? O que o senhor sente ao vê-las?
Walter Caveanha: Em alguns bairros ainda é comum vermos crianças brincando com bola, soltando pipa e praticando skate. Sinto saudade. Tenho boas lembranças da minha infância.

O Pólo: Como prefeito de Mogi Guaçu, em sua opinião, o que ocorreu da época em que o senhor brincava na rua para os dias atuais? Violência, medo, o que mais?
Walter Caveanha: A cidade não é mais a mesma. Numa cidade pequena todo mundo se conhece há uma segurança natural. É difícil fazer uma comparação porque enquanto brincávamos no mundo de uma rua, hoje, com a tecnologia a criança brinca interagindo com o planeta.

O Pólo: Dentro desse contexto histórico, o que esperar de um “adulto do amanhã” que “hoje é criança”?
Walter Caveanha: Se ele não acompanhar essa evolução poderá ser um adulto alienado. O grau de conhecimento das crianças hoje não se compara à nossa época. Há mais conhecimento numa velocidade impressionante.

O Pólo: Em 1977, quando o senhor assumiu a Prefeitura de Mogi Guaçu pela primeira vez, como era a cidade político-administrativa?
Walter Caveanha: O conceito de gestão pública não muda. As mudanças acontecem em torno das definições das prioridades e da tecnologia que vem oferecendo ferramentas para aprimorar a gestão.

O Pólo: Passaram-se 40 anos de sua primeira administração. Nessas quatro décadas quais as principais conquistas político-administrativas que Mogi Guaçu alcançou?
Walter Caveanha: Foram muitas as conquistas, mas podemos citar que Mogi Guaçu foi inovadora na saúde pública com um projeto na saúde preventiva que foi modelo. Lutamos pela melhor qualidade de vida com a implantação de programas habitacionais arrojados. Investimos na logística conquistando a duplicação das rodovias SP 340 e SP 342 e o novo leito da Fepasa. Conquistamos o antigo leito da Fepasa, onde implantamos a Avenida dos Trabalhadores, na qual iniciamos um moderno programa de mobilidade urbana (corredor de ônibus).
Na educação tivemos uma evolução na qualidade do ensino do infantil ao superior com a Faculdade Municipal Franco Montoro, localizada junto a barragem outra grande conquista que nos ajudou muito nas ultimas cheias e estiagens do rio Mogi Guaçu. Fortalecemos o esporte e a cultura, principalmente na área musical. Essas conquistas sempre estiveram alicerçadas num programa de desenvolvimento urbano (plano diretor) visando o crescimento com sustentabilidade.

O Pólo: “Nesses primeiros 100 dias de prefeito” após sua reeleição, como está sendo para o senhor administrar Mogi Guaçu?
Walter Caveanha: A conjuntura econômica e social do país ainda não nos oferece segurança que nos permite um planejamento de metas eficientes para este ano exigindo ainda mais gestão e criatividade da nossa equipe.

O Pólo: Hoje quais as principais dificuldades em administrar Mogi Guaçu?
Walter Caveanha: As principais dificuldades são: fazer cumprir a Lei de Responsabilidade Fiscal quando temos uma folha de pagamento que compromete o orçamento em mais de 50%; falta de recursos para investimento; reduzir despesas é um desafio permanente e manter as contas equilibradas obtendo as certidões necessárias para firmar convênios com o Estado e a União.

O Pólo: O que os cidadãos de Mogi Guaçu podem esperar de sua administração até 2020?
Walter Caveanha: Quero sonhar junto com o povo de Mogi Guaçu lutando para que a cidade continue seu desenvolvimento com sustentabilidade conquistando obras e serviços que representem um grande avanço na estrutura do município oferendo ainda mais qualidade de vida: projeto de mobilidade urbana, central de abastecimento agrícola, Faculdade de Medicina junto a Faculdade Municipal Franco Montoro, início do Porto Mandi (turismo), terminal ferroviário e ampliação do parque industrial.

O Pólo: Que legado o senhor quer deixar para Mogi Guaçu e população?
Walter Caveanha: Lutar, amar e perseverar.

O Pólo: Que mensagem quer transmitir sobre o aniversário de 140 anos de Mogi Guaçu?
Walter Caveanha: São 140 anos de história de trabalho buscando o desenvolvimento com sustentabilidade e uma cidade preparada para interagir com o mundo.

Sobre Flávio Ribeiro

Graduado em Comunicação Social - Jornalismo pela Pucc - Campinas. Editor-Chefe e Repórter da Revista O Pólo - Agência ODBO, é o responsável pela checagem e produção das reportagens e artigos e, também, da edição final da revista. Exerceu a função de Assessor de Imprensa de Gestão Pública e trabalhou em meios de comunicação como o Jornal Gazeta Guaçuana, Jornal Cidade e estagiou na EPTV Campinas.

Confira Também

Foto:  Marcelo Brunelli | Crédito: Lucas Gois

Você sabia?

O Labvitta [Laboratório de Análises Clínicas] oferece para os seus clientes um dos melhores atendimentos ...

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *