Quinta-feira , 14 Dezembro 2017
Últimas Publicações
Home / Coluna da Fabi / O exercício ideal para cada fase da mulher: gestante

O exercício ideal para cada fase da mulher: gestante

No último artigo escrevi sobre como conciliar o exercício físico com o dia-a-dia corrido da mulher. Hoje, escrevo sobre as gestantes, as mudanças no corpo da mulher em cada trimestre e os benefícios dos exercícios nessa fase.

Primeiro Trimestre:

Após confirmar que está grávida, a mulher passará por mudanças emocionais e físicas, à medida que os hormônios forem entrando em ação. Normalmente, a gestante sente-se emotiva, oprimida e facilmente cansada. Muitas mulheres começam a sofrer enjoos e náuseas no primeiro trimestre da gestação. Isso ocorre principalmente no período da manhã. Por isso, é essencial comer várias vezes durante o dia e beber bastante água para manter-se nutrida e hidratada.

É comum as gestantes sentirem os seios doloridos. Isso ocorre devido aos hormônios estrógeno e progesterona que já estão preparando o seio para a amamentação. No final do terceiro trimestre, é possível sentir as aureolas escurecerem e se alargarem.

Alguns sintomas parecidos com o período menstrual também podem ser percebidos, como cólicas e vontade de urinar. O xixi constante é provocado pelo aumento de líquido no corpo.  O intestino fica mais preguiçoso e o sintoma ocorre porque o hormônio HCG [Human Chorionic Gonadotropin – hormônio exclusivo da gravidez] tem a função de relaxar a musculatura do corpo, principalmente o útero, evitando assim as contrações. Por estar mais relaxado, o intestino funciona menos. A digestão similarmente fica mais lenta o que pode provocar azias logo após as refeições.

Segundo Trimestre:

Nesse período a gestante descobrirá que sua postura se altera conforme o crescimento de seu bebê e a barriga se torna mais redonda. Seus ombros podem ficar mais encurvados, por causa do maior peso das mamas. O ganho de peso ainda será mais perceptível. A fadiga continua, assim como a prisão de ventre, porque o intestino foi comprimido pelo aumento do útero. A digestão fica mais lenta provocando mais azia.

O metabolismo acelerado eleva a frequência cardíaca em até 20%, o que provoca a queda da pressão arterial. Isso é um bom sinal, pois indica que a placenta está beneficiando-se do volume sanguíneo do corpo.

A insônia pode começar a aparecer nesse período, devido à ansiedade e expectativa em relação à gestação. Muitas gestantes podem ter desatenção durante o dia devido ao pouco sono à noite. Por isso, é tão importante fazer alguns minutos de repouso.

É normal a barriga ficar dura no quinto ou sexto mês. São contrações já esperadas e normais. A gestante deve se preocupar se elas forem dolorosas, com frequência e se vierem junto com sangramentos.

Devido a maior sensibilidade da grávida a um hormônio relacionado com a pigmentação, algumas manchas podem aparecer no rosto e, também, uma linha que vai da região púbica até a boca do estômago, chamada de linha nigra.

Terceiro Trimestre:

O bebê já está bem crescido e acomodado mais confortavelmente dentro do útero. Isso pode ser aconchegante para ele, mas a gestante sente-se mais desajeitada e desconfortável, enquanto experimenta um ganho de peso constante até o fim da gravidez.

A respiração fica mais curta e frequente como resultado da pressão do ventre desenvolvido sobre o diafragma. O crescimento do bebê aperta a bexiga, o que pode levar a perda involuntária de um pouco de urina, por isso, é preciso urinar várias vezes. A falta de cálcio e potássio pode gerar câimbras e, para isso, massageie e alongue a região afetada.

O corpo começa a se preparar para o parto. É comum sentir um incômodo na região da bacia e costelas, pois os ossos passam por uma acomodação para o parto. Como o bebê vai descendo e encaixando, é possível sentir dores no osso na altura da vagina. Isso é um sinal que o corpo está se preparando para expulsar o bebê, por isso, é preciso prestar atenção aos sintomas de trabalho de parto.

Exercícios

Qualquer gestante pode se exercitar, desde que, não haja contraindicação. O primeiro passo é sempre conversar com o médico sobre o assunto. Existem algumas contraindicações para a grávida não praticar atividade física durante esse período, sendo elas: doenças relacionadas ao colo do útero, riscos de prematuridade, pré-eclâmpsia, sangramento uterino, inserção baixa da placenta, cardiopatia e gestação múltipla. Gestantes com histórico de sedentarismo devem esperar até passar o primeiro trimestre para iniciar um programa de exercícios. Já as mulheres que estão acostumadas com a prática de exercícios devem continuar suas atividades, desde que passem a respeitar os limites do corpo.

Por isso, é tão importante encontrar um profissional capacitado para orientar nessa fase. Eu recomendo a prática de Pilates e Treinamento Funcional nesse período.

Sugestões

O método Pilates e o Treinamento Funcional são programas de exercícios extremamente seguros e eficazes que podem ser utilizados durante a gravidez. Ao concentrar-se nos músculos essenciais para a postura, a gestante melhorará a estabilidade da musculatura postural e a resistência dos músculos do assoalho pélvico, o que a ajudará permanecer sem deformidades posturais, evitando assim, as dores lombares.

O ganho de força abdominal proporcionará maior apoio das vísceras abdominais permitindo melhor mobilidade da coluna vertebral e um maior espaço para o bebê, sem contar na melhora da circulação.

Com um enfoque cuidadosamente controlado, o método também permite que a gestante desenvolva uma maior conscientização sobre o corpo. As grávidas aprenderão a respirar e relaxar corretamente, preparando-se para o trabalho e parto.

Durante todos os artigos do tema: ‘O exercício ideal para cada fase da mulher’, observamos que o exercício é essencial para driblar as ações hormonais e melhorar a qualidade de vida.

Com esse mesmo objetivo, volto aqui dia 16/10 com o assunto menopausa.

Espero você!

Sobre Fabi Matos

Fabiana Nunes de Matos Bueno é graduada em Educação Física e trabalha como personal trainner ministrando aulas de pilates e funcional em seu estúdio.

Confira Também

Flavia Lima Morgon

O poder do diálogo

Há dezoito anos trabalhando como psicóloga, sempre penso sobre o significado e a importância de ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *