CidadeGeralSaúde

Pelo Mundo: Alemanha abre parte do comércio em uma Europa que ainda tenta conter pandemia

Seguindo o exemplo de Itália e Áustria que começaram em 14 de abril, a reabertura de lojas e a retomar serviços aos poucos, após semanas de lockdown, para conter a propagação do coronavírus, Alemanha inicia o mesmo processo

Na Alemanha, com 151.336 infectados e 5.367 mortes, a abertura da maioria das lojas com menos de 800 metros foi autorizada a partir da segunda-feira, 20 de abril. Ao contrário, permanecem fechados espaços culturais, bares, restaurantes, áreas de lazer e campos esportivos. As escolas de ensino fundamental e médio reabrirão gradualmente a partir de 4 de maio.

Simone Grunow e Peter Grunow

Simone Simionato Grunow, 55, reside na cidade de Leonberg, há 17 km de Stuttgart, que é a capital do estado de Baden Württemberg. Depois que voltou de um intercâmbio nos Estados Unidos, em 1978, cheia de ideias e planos, foi trabalhar numa agência de viagens.
“Por meio desse trabalho, conheci meu marido Peter Grunow, que é alemão. Na época, ele era diretor da Mahle do Brasil. Meu marido se identifica muito com o Brasil e por esse motivo e também de trabalho, vivemos desde 2012 entre o Brasil e Alemanha”.

Dessa união, gerou um casal de filhos. “Thomas é médico, tem 33 anos, casado e com dois filhos: Karl, 5, e Ludwig Alexander, 2. Anna, nossa filha, fez Administração de Empresas, tem 30 anos e também é casada e com um filhinho chamado Fritz Constantin de 10 meses de idade. Thomas mora no norte da Alemanha, nas proximidades de Hamburgo e Anna mora a 35 quilômetros de nossa casa em Leonberg”.

Simone Grunow diz que retomada da rotina na Alemanha foi incrível

Em entrevista para O Polo, Simone Simionato Grunow relata como está o processo de retomada da rotina dos alemães, mesmo em meio a pandemia que ainda toma conta de outros países da Europa.

“Quanto a nossa quarentena, ela já dura um mês e meio. Mas é necessário também que se entenda que os estados alemães são autônomos, de forma que as medidas encontradas que estabelecem as diretrizes a seguir para o combate do Covid-19 variam de estado para estado. Assim, nos é permitido sair às ruas e fazer passeios, desde que, mantenhamos a distância de 1,5 metro de um para o outro. No estado vizinho da Baviera, as pessoas eram proibidas de saírem à rua para fazer passeios.

A sensação que tivemos na última segunda feira, 20 de abril, quando oficialmente começaram a relaxar as medidas contra a Covid-19, permitindo que lojas de até 800 metros fossem abertas, foi incrível. Sensação de liberdade.

Em todos os lugares e situações, as restrições exigidas são seguidas à risca. Evitamos aglomerações e mantemos a distância necessária. Além disso, a partir do próximo dia 27 de abril, todos nós teremos de usar máscaras, quando sairmos para a rua. Por isso, não acredito que corremos risco de voltarmos ao confinamento.

Apesar dos subsídios oferecidos pelo governo, o povo está preocupado com a economia alemã que está sofrendo muito. Preocupamo-nos com os resultados dessa paralisia em massa, com o desemprego e falências, principalmente, dos pequenos empresários.

O estado é bem taxativo e as pessoas são bem conscientes de que todos teremos de cumprir as determinações exigidas, se quisermos ter uma chance de resolver esta situação.

“Todos terão que de fazer sacrifícios
para retomarmos a economia alemã”

Para o reinicio das aulas, estão planejadas várias medidas como mais higiene nas escolas e classes menos numerosas. Se essas medidas realmente vão entrar em prática, não se sabe ainda, pois muitas delas necessitam de melhor planejamento.

Os hospitais adiaram muitas cirurgias e tratamentos, na expectativa de terem vagas para o tratamento dos pacientes da Covid-19. Como isso não aconteceu até agora, há muitos leitos vazios e diversos hospitais estão entrando em dificuldades financeiras.

Durante o pico da epidemia, as pessoas foram direcionadas para os consultórios médicos ou a postos que faziam testes imediatos, para constatar a doença ou não, além disso, se alguém se sentisse doente, poderia por telefone pedir, descomplicadamente, um atestado para afastamento do trabalho por até duas semanas.

Foto: Arquivo Pessoal

“Acredito que esta crise está sendo muito bem gerenciada pelo governo e pelo povo alemão, devido ao isolamento muito forte, os hospitais capacitados, a disciplina e organização dos alemães, o entendimento entre o governo federal e os governadores dos estados”

Com relação à vacina desenvolvida na Alemanha, ainda não temos nenhuma notícia concreta e só sabemos que hoje, 23 de abril, começaram a vacinação de 200 voluntários.

Esperamos com a sucessiva reabertura do comércio, restaurantes e dos pequenos empresários, que todos tenham ainda a chance de evitar a ‘quebra’, embora esteja previsto que mais de 700 mil empresas de pequeno e grande porte irão à falência.

O governo também está estudando medidas, como por exemplo, da redução dos impostos para restaurantes, para poder ajudá-los a recomeçar”. 

Tags
Mostrar mais

Flávio Ribeiro

Graduado em Comunicação Social - Jornalismo pela Pucc - Campinas. Editor-Chefe e Repórter da Revista O Pólo - Agência ODBO, é o responsável pela checagem e produção das reportagens e artigos e, também, da edição final da revista. Exerceu a função de Assessor de Imprensa de Gestão Pública e trabalhou em meios de comunicação como o Jornal Gazeta Guaçuana, Jornal Cidade e estagiou na EPTV Campinas.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close