Sábado , 18 Novembro 2017
Últimas Publicações
Home / Colunistas / Qual a razão?

Qual a razão?

Um mundo intolerante.

E, é nesse mundo em que vivemos.

A triste notícia que invadia os noticiários no último domingo de manhã, 12 de junho, trazia a realidade de um mundo intolerante, com pessoas cada vez mais intolerantes vivendo nele.

Cada vez mais temos menos tempo. Menos tempo de realizar projetos, de desfrutar momentos com a família, de descansar. E, paralelo a isso, cada vez mais, pessoas deixam de viver seu tempo e vivem o tempo, ou melhor, a vida de outras pessoas. E se acham no direito de julgar, recriminar e agir sem respeito. Pessoas que são intolerantes às diferenças.

Até você ter alguma opinião formada sobre determinado assunto, isso é um problema seu. Agora, quando isso ultrapassa seu nível aceitável de tolerância, já é um problema social.

Quem somos nós pra dizer se isso ou aquilo é certo ou errado?

Qual ou quem de nós somos perfeitos?

E, se fôssemos mesmo, atos de preconceito não estariam em nosso comportamento.

Se você não concorda com algo, respeite e pronto.

Inacreditável ver tanta crueldade.

Inacreditável ver tanto ódio.

Vidas interrompidas tão brutalmente. Perdidas sem entendimento.

Pessoas que estavam vivendo, desfrutando de suas alegrias, foram apagadas sem razão.

Por quê?

Eu não consigo pensar somente nessas pessoas que foram mortas nesse domingo. Penso nas centenas de gerações interrompidas devido a um ser, totalmente desprovido de, no mínimo, tolerância. Que dirá de amor.

Um ser que ama qualquer outro ser, um filho, uma esposa, um parceiro, seu animal de estimação, é incapaz de repudiar qualquer outra forma de amor.

Se não aceita qualquer outro tipo de comportamento, simplesmente não viva o que não te agrada. Mas entenda, que cada um tem o direito de escolher o que quer para a sua vida. E, também entenda que isso não te diz respeito.

As pessoas estão carentes de amor. As pessoas estão carentes de altruísmo. De empatia.

Da mesma forma, o mundo está carente de pessoas que amam, que respeitam, que se colocam no lugar do outro.

E, Orlando, ficará carente dessas pessoas que se foram, tão de repente, e não vão mais voltar.

Sobre Rubia Wakizaka

Rúbia Mara Andrade Felisberto Wakizaka é guaçuana e há três anos mora em Lake Mary [Flórida]. É casada com o empreendedor Fabio Wakizaka e mãe de dois filhos, Ichiro e Kenzo. Fala inglês fluente, é artesã e culinarista. Nos Estados Unidos, trabalha na área digital como bloguer e youtuber, trazendo experiências do setor de craft, abrangendo técnicas de costura, bordado e crochê, por meio do seu canal ‘Faça-Você-Mesmo’.

Confira Também

0003CEB6D3A814

Mudar

Estou me mudando mais uma vez. Falo dessa maneira, porque essa será minha 9a mudança ...

2 comentários

  1. Muito triste demais…as vezes penso que isso tudo já seria o fim do mundo…o inferno é aqui!

  2. Alba Antonia de Andrade Felisberto

    Oi ,Rubita!
    Muito triste!
    Uma pessoa que pratica um ato horrível como esse,
    não conheceu o amor e também nunca sentiu-se amada.

    Sempre te seguindo!
    Bjs!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *