Quinta-feira , 21 Setembro 2017
Últimas Publicações
Home / Coluna da Fabi / Sim, qualidade de vida é uma opção

Sim, qualidade de vida é uma opção

No texto anterior escrevi sobre ginástica laboral e suas importâncias. Entre vários benefícios destaquei o quanto faz bem para autoestima, autoimagem e para qualidade de vida, dar uma pausa no trabalho, mesmo que essa seja por 15 minutos. Hoje, começo o esse artigo te perguntando: quantas vezes você dá uma pausa na correria do dia-a-dia?

Pois é, entre trabalho, estudo, filhos, família e muitos outros compromissos, o tempo dedicado a nós é cada vez menor. Para muitas pessoas, esse tempo chega a ser inexistente. Quem você acha que perde com isso?

A resposta é simples: você.

Não estou só falando de perda de tempo não. Estou falando que quando somos ‘engolidos’ por uma rotina agitada e que exige muito de nós, perdemos saúde e qualidade de vida, além do tempo.

Mas, qual seria a melhor maneira de mudar esse quadro?

Quer saber como?

Vou tentar te ajudar.

*Pare de se sabotar: as pessoas tendem a arrumar uma desculpa para postergarem as mudanças. Vou dar alguns exemplos, veja se você se enquadra; “Meus filhos são pequenos e precisam muito de mim”; “Estou em ascensão profissional e preciso me dedicar ao trabalho”; “Sou jovem, se não fizer agora nunca mais poderei fazer”;

Se você se encaixou em algum desses exemplos, você está se sabotando. Tenha em mente: seus filhos sempre vão precisar de você [o resto da vida]. Se você for um bom profissional, seu trabalho sempre vai estar em ascensão. Se você tiver uma vida com qualidade, será sempre mais jovem do que pensa. Pense nisso!

*Escolha uma atividade que te dê prazer: parece clichê, mas ter uma pequena distração no meio do tumulto vai aliviar o estresse. Calma! Não estou falando de atividade física, ainda não. Estou falando de qualquer atividade que você goste de fazer e que te faça esquecer tudo por um tempo. Pode ser costurar, assistir filme, fazer uma massagem, entre outras coisas. Que tal colocar essa atividade na sua agenda, pelo menos uma vez na semana. Poucas horas dedicadas para fazer o que gosta renovam o humor, arejam a cabeça e dão muito mais disposição para voltar à rotina.

*Alimente-se bem: sim, a alimentação também é importante. Você é do tipo que sai de casa tomando um iogurte no caminho para o trabalho, que não tem hora para almoçar, que passa o dia todo sem comer nada e janta tarde?

Se você se encaixou em uma dessas opções, você precisa mudar. Se se encaixou em mais de uma, precisa mudar urgente. Agora, se você se encaixou em todas, já está comprometendo sua saúde. Uma pessoa bem alimentada pensa melhor, tem mais disposição e tende a ficar menos doente.

*Pratique atividade física: não vale ser atleta de fim de semana, é preciso colocar a atividade na rotina. Não adianta você tentar fazer uma atividade que não goste. Ter prazer com a prática de exercício é essencial para que a atividade seja incorporada na rotina, escolha a sua. Se não consegue se exercitar três vezes por semana, comece com duas. Se mesmo assim não consegue frequentar as aulas, inicie a prática apenas uma vez. O importante é começar. Com o tempo seu corpo vai se acostumando e sua rotina vai entrando nos eixos e, aí sim, você começa a aumentar.

*Semana complicada: entenda que imprevistos acontecem. É preciso ter em mente que, às vezes, a rotina fica conturbada mesmo. Mas, o importante é que essa conturbação seja passageira. É preciso ter consciência que uma semana ou outra a rotina pode ser tumultuada. O que não pode acontecer é ela ser tumultuada sempre e tranquila só algumas vezes.

Entenda que qualidade de vida também é uma opção. Com uma rotina menos estressante você conseguirá ser mais eficiente no trabalho, mais dedicado à sua família, terá mais paciência e o tempo que se dedicar para os seus filhos será com qualidade e não estressante. Pense nisso e mude. Só depende de você!

Um beijo e até dia 31/07.

Sobre Fabi Matos

Fabiana Nunes de Matos Bueno é graduada em Educação Física e trabalha como personal trainner ministrando aulas de pilates e funcional em seu estúdio.

Confira Também

Foto: Otávio Bueno

TDAH NO ADULTO, SERÁ?

Algumas expressões são corriqueiras quando nos deparamos com crianças um pouco mais agitadas do que ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *