Colunistas

Sobre nós e o hoje

Almoço de Páscoa com a família e, de repente, as matriarcas começaram a comentar como cada filho é diferente do outro. Realmente uma observação verdadeira e, um fato.

Na discussão apoiei meu ponto de vista em três pilares:

  • A genética individual;
  • A identificação particular destes com um dos pais;
  • A sociedade, o clã onde vivemos;

A genética, tem na distribuição cromossômica o requisito herdado de moldar o indivíduo com as características de seus antecessores e, é imutável.  A identificação do filho com um dos pais faz com que, dependendo da afinidade, adquiramos um pouquinho daquele a quem nos espelhamos e, por último, o meio onde vivemos.

Qual destes talvez seja o mais importante, uma vez respeitada a ideia de que todos os três são necessários. Me veio então à lembrança, meus tempos de menino, onde as regras eram rígidas e difíceis de serem transgredidas e as transgressões rigidamente questionadas.

Nesta fase da vida é que aprendemos a respeitar os mais velhos, aprendemos como nos portar à mesa, aprendemos a respeitar horários, as muitas regras de convivência e aprendemos algo importantíssimo – a Integridade.

Estes valores atrelados a nós desde a tenra infância, moldou uma geração de pessoas honestas, verdadeiras e confiáveis. Está então aí, a grande escola que, de uma certa forma equipara indivíduos geneticamente diferentes e os faz tão interessantes.

Também nesta fase o caráter começa a ser estruturado em suas bases. Então, aquele indivíduo formado dentro de seu clã, sua família, inicia sua trajetória mundo a fora.  Acredito eu ser o mundo, um conjunto de clãs pelos quais temos ou não, a oportunidade de conhecer e frequentar, gerando então oportunidades de diferenciação.

Neste momento da conversa, naturalmente surgiu o questionamento sobre nosso momento atual, especificamente a fase em que o Brasil se vê mergulhado.

  • Onde os valores acima discutidos se perderam?
  • Por que tantos indivíduos sem caráter e ética?
  • O motivo de tantos destoarem dos padrões que fazem uma comunidade justa e melhor?

Perguntas difíceis, mas se pararmos para refletir sobre o porquê das diferenças, e o que a imagem dos homens do Brasil de hoje tem a ver com isto, uma resposta me vem: Não é uma questão meramente partidária, não é sobre pobres e ricos, não sobre elite e ou outros rótulos, mas, sim, sobre valores esquecidos, ausência total de ética e, não a deposição de um partido ou determinado político e, sim, sobre acabar com a imoralidade que corre solto em nosso clã!

Tags
Mostrar mais

João Conrado Bueno dos Reis

João Conrado Bueno dos Reis é graduado em Medicina pela Fundação Lusíadas de Santos, com Residência em Cirurgia no Hospital Guilherme Álvaro em Santos. Especializou-se em Endoscopia Digestiva pelo Hospital Sírio e Libanês e é membro da Sobed [Sociedade Brasileira de Endoscopia Digestiva]. Em Mogi Guaçu, é proprietário da Clínica Endogastro, sócio do serviço de Endoscopia do Hospital São Francisco e médico endoscopista da Santa Casa de Misericórdia. É casado com Leoneth Darcadia dos Reis tem dois filhos, Thiago e Thomas.

Artigos relacionados

1 thought on “Sobre nós e o hoje”

  1. Parabéns pela iniciativa Conrado ! Textos oportunos e sensíveis , que bom poder ler artigos assim ! Espero mais !! Obrigada

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Verifique também

Close
Close