Quinta-feira , 14 Dezembro 2017
Últimas Publicações
Home / Colunistas / Virtualmente amigos

Virtualmente amigos

Me lembro de quando assistia ‘Os Jetsons’!

Achava o máximo quando eles se falavam e podiam se ver em tempo real!

“Só em desenho, mesmo!” – eu pensava.

E não é que isso aconteceu?

Hoje, pelo skype ou facetime, podemos nos falar e nos ver ao mesmo tempo! E mais, em qualquer parte do mundo!

Sou muito grata à tecnologia! Com tudo isso, consigo falar e ver meus pais, minha família, meus amigos e matar a saudade.

Poder escrever esse texto, então! Magnífico!

Mas, o melhor disso tudo, são as amizades! Quantas pessoas, de tanto lugar do mundo que são meus amigos hoje.

Muita gente pode não acreditar em amizades virtuais. Eu acredito. Converso com muita gente que nunca vi e, talvez nunca veja pessoalmente, mas que temos afinidades. Que temos carinho, que torcemos para dar certo. Isso é amizade também. Amizade de um mundo moderno.

O triste do virtual são as pessoas que mentem ou enganam. Pessoas que nos passam uma imagem mentirosa do que realmente são. Isso realmente é triste. Mas, não consigo acreditar que alguém consiga enganar por tanto tempo, mesmo que virtualmente.

Nas atitudes, no dia-a-dia, no olhar – mesmo que detrás das câmeras -, conseguimos ver a essência verdadeira de cada um. E, gente do bem brilha! Brilha com as palavras, brilha com as atitudes.

Tenho uma lista de amigos virtuais que vejo mais do que se fossem reais. Amigos que se inspiram num vídeo ou num texto meu e me mandam palavras de carinho que também me inspiram. Mensagens estas vindas através de texto, de áudio e de vídeo.

Através dos meus vídeos, muitos podem ver minha rotina, minha casa, minha família. E sabe que, uma querida amiga virtual, um dia me mandou um vídeo me mostrando a casa, a família e um pouco da sua rotina também.

Fiquei tão feliz! Me senti mais próxima dela! Nos conhecemos melhor, mesmo que virtualmente!

E, mesmo através de uma conversa virtual, podemos nos emocionar, podemos trocar energia.  Energia positiva. E essa troca vai muito além do mundo virtual ou real.

Não podemos ignorar o lado bom dos avanços tecnológicos. Ao contrário, tirar o proveito do lado bom disso tudo!

Dos Jetsons só nos restam os carros voadores! Ah! E aquela ajudante maravilhosa que é um robô! Aí sim, teremos tempo de sobra para nós, para os amigos reais e para os amigos virtuais!

 

Sobre Rubia Wakizaka

Rúbia Mara Andrade Felisberto Wakizaka é guaçuana e há três anos mora em Lake Mary [Flórida]. É casada com o empreendedor Fabio Wakizaka e mãe de dois filhos, Ichiro e Kenzo. Fala inglês fluente, é artesã e culinarista. Nos Estados Unidos, trabalha na área digital como bloguer e youtuber, trazendo experiências do setor de craft, abrangendo técnicas de costura, bordado e crochê, por meio do seu canal ‘Faça-Você-Mesmo’.

Confira Também

0003CEB6D3A814

Mudar

Estou me mudando mais uma vez. Falo dessa maneira, porque essa será minha 9a mudança ...

3 comentários

  1. Sim, Rúbia querida, acredito tbm nas amizades virtuais, que se estabelecem pelas afinidades e admiração, pois mesmo estando longe, em outro país, através dos vídeos e textos, podemos “conhecer ” um pouco dos sentimentos, pensamentos, caráter das pessoas e no seu caso, como vc é dedicada a tudo que realiza, de forma simples, sem ostentação, sempre desejosa em ensinar e compartilhar….. Encantou-me!!!!!
    Que bom existirem atualmente os recursos tecnológicos, que aproximam os seres e possibilitam que “se encontrem virtualmente”, sem necessitar estar próximo fisicamente e como vc bem diz: “trocar esta energia boa”, através de um comentário, e-mail…..
    Parabéns pelos muitos “amigos virtuais”, que como eu, estão sempre aprendendo muito com vc!!!!!
    Bjs , sua “amiga virtual”, Sílvia.

  2. edilson carvalho damasceno

    Olá, bom dia , estou procurando meu pai o nome dele é Emidio Alexandre Damasceno, gostaria de saber sua filiação, se puder me ajudar muito obrigado…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *