CidadeColunistasComportamento

Inspire e expire, o ano começou!

Acolher o nosso sofrimento devido a tudo que a pandemia nos traz e demonstrar amor diante da própria dor e da pessoa a sua volta pode ser o melhor remédio

O início de 2021 se deu com vários acontecimentos tristes e parece que não finalizamos 2020, não é mesmo? Ocorreu o avanço da pandemia da Covid-19 no mundo, aumento vertiginoso das mortes, fim do auxílio emergencial às famílias brasileiras e outros fatos mundialmente marcantes.

É preciso ressaltar que é esperado o aumento no número de pessoas em vulnerabilidade social. Quanta coisa a humanidade já viveu e, ainda, vai viver!!!

O mundo já passou por diversas epidemias, como a peste negra, a cólera, a tuberculose, a varíola, a gripe espanhola, a tifo, a febre amarela, o sarampo, a malária e a Aids. A ciência sempre se dedicou ao estudo para o tratamento e até mesmo cura das doenças e, devido a isso, possibilitou a erradicação de muitas das acima citadas em vários países. Atualmente, vivemos um momento atípico, com privações que a maioria das pessoas só tinha visto em livros.

Nesse exato momento, temos cientistas do mundo todo dedicados à pesquisa da Covid-19, bem como ao desenvolvimento de diagnósticos, tratamentos e vacinas. As pessoas se surpreendem com a rapidez na produção da vacina, porém, penso que o avanço tecnológico, nessas últimas décadas, fez com que o conhecimento ascendesse rapidamente, assim como, a divulgação dos dados obtidos.

Se aprofundarmos a reflexão sobre os processos evolutivos da humanidade, lembraremos que, além das epidemias e grandes catástrofes, tivemos as guerras. Quantas pessoas morreram? Muitas sobreviveram com grandes sequelas físicas e emocionais!

A própria Psicologia evoluiu significativamente depois da Segunda Guerra Mundial, sendo necessário o desenvolvimento de testes psicológicos diante das doenças mentais que surgiram no indivíduo e nas famílias. No momento presente, novas formas de tratamento e conduta vieram com força total devido ao isolamento e suas consequências; e a prática da modalidade online passou a ser usada com frequência jamais vista e, dessa forma, muitas pessoas estão usufruindo de acompanhamento psicológico e até mesmo médico sem sair de casa.

“Se observarmos o desenvolvimento humano, notaremos que a necessidade,
o desejo e, inclusive, o sofrimento mobiliza para a evolução”

A criança se arrisca e cai diversas vezes porque quer andar, sofremos por amor porque queremos ser amados e amar, resolvemos crescer porque queremos liberdade, ou seja, a dor é necessária para a superação e a sensação de prazer com toda conquista é natural.

Acolher o nosso sofrimento devido a tudo que a pandemia nos traz e demonstrar amor diante da própria dor e da pessoa a sua volta pode ser o melhor remédio. Quando a esperança é vivida como um verbo: ‘Esperançar’, como tantos pensadores já escreveram, se ganha força e determinação.

É preciso se esforçar para aceitar e se adaptar às mudanças necessárias, apesar da restrição na liberdade de ir e vir desde março/2020 e, determinação para honrar, o máximo possível, desejos e vontades por meio do uso da capacidade criativa em busca de formas alternativas de trabalho, de lazer, de encontros e de reencontros. O momento favorece o reconectar-se consigo próprio e com o próximo, na perspectiva da importância da empatia, ouvir a si e ao outro, para melhor compreensão.

Na minha experiência pessoal e profissional constato que somos eternos aprendizes de nós mesmos e favorecer as pessoas para uma melhor convivência permeada de mais amor, esperança, diálogo, solidariedade e sonhos tem sido fantástico.

Se tudo o que leu até aqui fez sentido para você, mas sente-se perdido, não tenha vergonha de procurar ajuda, a maioria das pessoas fica bem com uma boa conversa, com a psicoterapia ou até mesmo com acompanhamento medicamentoso. Lembre-se que tudo passa e a pandemia vai passar! Esteja preparado para isso, ou melhor, pense no sentido da vida e no seu propósito para, quando puder colocá-la em prática.

Sendo esse o primeiro artigo do ano aproveito em nome da Clínica Bem-Estar para desejar a todos empatia consigo próprio e com o próximo, determinação, esperança, saúde e muito amor!

“Quando não podemos mais mudar uma situação, somos desafiados a mudar a nós mesmos”
Viktor Frankl

Bibliografia
Organização Mundial de Saúde
Revista Psicologia: Ciência e Profissão/Conselho Federal de Psicologia. Edição especial de 30 anos. 2010.

Foto: Otávio Bueno

Ana Lúcia da Costa Rafael – Coordenadora, é Psicóloga Clínica, terapeuta familiar, casal e individual. Especialista em Psicologia Clínica pelo CRP/SP, pós-graduada pela PUC/SP em terapia familiar, casal e individual. Ministra palestras e cursos para pais, educadores e psicólogos. Articuladora da APTF [Associação Paulista de Terapia]. Formada pelo Programa Internacional em Práticas Colaborativas e Dialógicas/Houston Galbeston Institute [Texas] e Taos Institute [Novo México].

Tags
Mostrar mais

Clínica Bem Estar

A clínica Bem-Estar existe há mais de 20 anos e foi idealizada pelas psicólogas Silvia Gonçalves Compri e Irmã Lais Soares. Atualmente, a equipe é composta por quatro profissionais: Ana Lúcia da Costa Rafael, Adriana Pereira Rosa Silva, Flávia Lima Morgon e Patricia Galo Firmino. As psicólogas atendem crianças, adolescentes e adultos em sessões individuais, familiar e de casal, trabalhando na abordagem sistêmica, acreditando numa mudança paradigmática, onde os processos relacionais assumem significativa importância nos atendimentos e na evolução das pessoas que as procuram. Também ministram palestras, cursos para pais, professores e profissionais da área. Desenvolvem projetos sociais, consultoria e supervisões clínicas. A equipe tem como meta tornar-se um centro de referência em atendimento e formação na área da Psicologia.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close